Gaúcho, o jornalista Antônio Britto foi repórter e editor de política nos anos 1980. Porta voz de Tancredo Neves, entrou para a história ao anunciar a morte do presidente eleito em 1985.
Ingressou na Globo em 1979. Foi editor regional de jornalismo em Brasília e coordenou, entre 1983 e 1985, as coberturas de fatos importantes, como as manifestações por eleições diretas para presidente e a votação da emenda Dante de Oliveira.

Deixou a Globo em fevereiro de 1985, para ser secretário de imprensa de Tancredo Neves, eleito presidente da República.
Em 1986, Antônio Britto elegeu-se deputado federal constituinte em Brasília. Participou ativamente da elaboração da Constituição em 1988. Em 1990, reeleito deputado federal, foi presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Em 1992, passou a chefiar o Ministério da Previdência Social no governo Itamar Franco e em 1994 foi eleito governador do Rio Grande do Sul.

Em 2003 foi para o mercado corporativa como presidente da Calçados Azaleia S.A. e, no final de 2006, foi responsável pela área de assuntos corporativos da empresa de telefonia Claro.
Em 2009, assumiu a presidência da Interfarma, Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, onde atuou por 10 anos.

Hoje é consultor para diferentes organizações do ecossistema da Saúde.

Voltar